RSS

Arquivo mensal: junho 2014

Prazer

Se-a-realidade-fosse-poesia

 

Da trama que fui tecida

Tecido foi o orvalho;

Tecido os raios do sol, a brisa,

Tudo o mais que é impalpável…

 

O que me entretece e dar vida

Nenhum olho humano já viu

Nunca tocou e nem podia

Apenas uns poucos, o sentiu…

 

O pólen do qual fui gerada

São sementes, pó de lua!

Não cabem ficarem guardadas

Derramam-se no seio das ruas…

 

Às vezes sou boca pro amor

Há momentos que sou nostalgia

Apenas uns poucos me entendem

Prazer! Me chamo poesia.

 

Lu Marinho

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 5 de junho de 2014 em #DESTAQUE